O atual panorama do Coworking no Brasil – Parte 1

Já foi divulgada a primeira fase do Censo Coworking Brasil 2017, realizado pela Movebla e a Ekonomio em parceria com o Coworking Brasil e com o apoio do Seats2meet.

E, é claro que, nós aqui do DESK Coworking, sempre antenados a esse universo empolgante que é o do coworking, divulgamos essas informações quentinhas pra vocês.

Vale lembrar que os coworkings surgiram no País em 2007, há 10 anos, e essa é a terceira edição desse importante estudo sobre o mercado dos escritórios compartilhados.

O número de coworkings no Brasil

Até março deste ano, o País contava com 810 espaços de coworking. Um crescimento gigantesco, cerca de 114% em relação ao ano passado. O aumento de 2015 para 2016 foi de 52%.

São Paulo lidera a lista de cidades com mais coworkings, seguida pelo Rio de Janeiro e Belo Horizonte. São 217, 71 e 47 escritórios respectivamente.
Ao todo, são 56 mil estações de trabalho, 812 milhões de reais movimentados, 3500 empregos gerados direta e indiretamente e 210 mil pessoas circulando nesses escritórios compartilhados.

Uma informação curiosa sobre onde estão os coworkings

Os coworkings que já ganharam o interior do Brasil, agora também começam a ocupar bairros menos tradicionais dentro das grandes cidades.

Ótimo para a mobilidade urbana, já que acaba desafogando o fluxo de pessoas em direção às zonas comerciais. 32% estão em zonas residenciais e 34% em uma região que não é muito ocupada por grandes empresas.

Como os espaços compartilhados funcionam?

Os coworkings contam, em média, com 69 estações de trabalho. Além disso, cada vez mais eles têm oferecido comodidades para os coworkers.

  • 21% são pet friendly
  • 50% são acessíveis para cadeirantes
  • 41% têm atendimento em inglês
  • 31% funcionam 24h
  • 3% são kid friendly
  • 54% oferecem espaço ao ar livre
  • 41% contam com estacionamento próprio
  • 66% oferecem endereço fiscal.

E qual é a maturidade dos coworkings?

A maioria deles têm o escritório compartilhado como seu principal negócio. Em relação à segmentação, 12% são focados na Indústria Criativa e 45% no TI.

23% dos coworkings brasileiros iniciaram um projeto de expansão ou planejam fazer em breve. Apenas 4% confessaram que o negócio vai mal.

Agora uma novidade sobre os serviços que dão mais retorno. As salas privativas aparecem como a principal fonte de renda dos coworkings, com 21%. As mesas privadas e mesas compartilhadas vêm na sequência, com 15% e 14% respectivamente.

E a comunidade dos coworkers?

Cada coworking conta, em média com 23 membros. A maioria deles, cerca de 69%, assinam planos mensais, e 11% avulsos, o que revela a forte identificação que os coworkers têm com esses espaços.

17% dos coworkers são individuais e 42% deles estão em grupos de 3 pessoas, trabalhando para uma mesma empresa.

Qual o perfil desses coworkers?

Bom, esta é a Fase 1 do projeto, focada nos coworkings. Em breve, os organizadores do Censo Coworking Brasil iniciarão a Fase 2, onde eles analisarão o perfil dos coworkers.

E, sim, quando saírem os dados, a gente publica aqui também.

O estudo completo da Fase 1 pode ser lido no link.

Na próxima semana, vamos trazer um assunto que vai agradar os proprietários dos coworkings: como os espaços compartilhados podem aumentar os seus lucros. Legal, certo?

Enquanto isso, aproveite para conhecer a Comunidade DESK Coworking. Um espaço de indicação e geração de negócios entre nossos membros e nossos membros e você.

Isso mesmo: contamos com profissionais de diversas áreas que podem ter a solução ideal para o seu negócio.

É só você entrar em contato conosco, trazendo sua dúvida, ideia, questionamento, projeto, enfim, o que quiser compartilhar conosco. Nós torcemos para o seu sucesso. Descubra aqui.

FAÇA PARTE DE NOSSA COMUNIDADE

Compartilhe :

Fale com um consultor